Mães da Casa do Zezinho lançam Içá

O projeto A Gente Transforma idealizado pelo designer Marcelo Rosenbaum não só capacitou parte da população da Casa do Zezinho do Capão Redondo e fez um mutirão para reformar os arredores do principal centro de lazer da comunidade como também criou uma marca para o Grupo de Mães Amigas da Casa do Zezinho (GMACZ): a Içá.

Com a ajuda das designers Cristiane Rosenbaum e Roberta Crelier e material doado pela Cipatex, produtora de tecido atoalhado, as costureiras criaram e produziram uma coleção cheia de vida de bolsas coloridas. O resultado pode ser visto nas fotos abaixo de Douglas Garcia / Divulgação, no vídeo e no blog da Içá.

Içá Bolsa

Içá mala

Içá bolsinha

O vídeo foi feito na feira de design contemporâneo Paralela Gift, onde a marca foi lançada há duas semanas. O sucesso foi tanto que agora a marca vai caminhar com as próprias pernas.

Outro lançamento sustentável do evento foi a coleção Lyptus + Paralela, onde designers foram convidados por Marisa Ota para criar objetos de design com esta madeira certificada batizada de Lyptus, fruto do cruzamento de dois tipo de eucaliptos. (Veja mais no post de ontem sobre a matéria de ecodesign publicada no Estadão)

No vídeo ainda é possível ver alguns produtos do projeto Talentos do Brasil, apoiado pelo Ministério de Desenvolvimento Agrário e que reúne peças de comunidades de diversas regiões do País. Confira.

Modelo, design e papel bituca @ Planeta

Ontem eu trouxe duas entrevistas sobre ecodesign aqui no Verdinho Básico mas não coloquei o link da matéria sobre o assunto que fiz para o jornal O Estado de S. Paulo. O caderno Planeta foi publicado e a matéria de capa é mais atual impossível. Fala sobre “O carro para não chamar”, o conceito de car share. Vale a leitura. Clique aqui para ver.

ecodesign-estadao

Além de Ecodesign (clique para ler no site do jornal), fiz uma entrevista com a top brasileira que mora em Nova York Luciana Curtis. Ela é super eco e um exemplo de mãe sustentável. Dá dicas ótimas. Clique aqui para ler.

Outra matéria que escrevi foi o Making Of do papel bituca, feito com resto de cigarros reciclados. Clique e veja.

luciana-estadao

Ecodesign não é artesanato

Ontem (24) à noite foram anunciados os vencedores do prêmio IDEA Brasil 2010, que traz entre suas categorias o Ecodesign. Os vencedores e a relação entre sustentabilidade, design e consumo podem ser vistos na entrevista abaixo com Joice Joppert Leal. Ela é diretora executiva da organização Objeto Brasil, que representa no País o prêmio internacional IDEA Awards e tem como objetivo a promoção do design brasileiro no Brasil e no exterior.

Como você vê o mercado de design em relação à preocupação com a sustentabilidade?
Cada vez mais a sociedade está preocupada com a sustentabilidade. É um fator determinante na compra de um produto. Isso sem dúvida reflete no mercado de trabalho dos designers.

Os designers vêm se preocupando mais com esta questão?
Sim, os designers estão atentos a isso. E, como os clientes também têm essa preocupação, há um interesse convergente.

Qual o papel do design na determinação do impacto ambiental de um produto?
Numa indústria, o designer trabalha numa equipe multidisciplinar ao lado de engenheiros de produtos e de processos. Ele vê como inserir as questões ligadas à sustentabilidade, como por exemplo, na escolha de materiais renováveis.

O que você destacaria nos produtos vencedores da categoria Ecodesign?
O que é marcante é a diversidade. Temos a Linha Ekos de Sabonetes da Natura, a e-boards – uma prancha de surf -, uma bicicleta de madeira e um reciclador de óleo de cozinha.

Você acredita que os designers que se inscrevem em outras categorias também têm a preocupação com o uso de materiais sustentáveis ou com baixo impacto ambiental?
Sim, podemos ver isso em várias categorias diferentes, como Embalagens, e até em Transportes, com o carro-conceito da Fiat.

Hoje em dia ecodesign não é mais sinônimo de artesanato e estética hippie?
É muito importante deixar claro que quando falamos em ecodesign, estamos falando em produção industrial. É algo bem distinto do artesanato, produzido em pequena escala e manualmente.

Quando você acha que ocorreu esta mudança e quais foram os fatores determinantes?
Há muitos anos que a indústria vem se preocupando com a eficiência energética e a utilização de matérias-primas renováveis. Isso se deve em parte à realização no Brasil da ECO 92, quando se difundiu mais a relevância da preservação do meio ambiente.

A tecnologia industrial ajudou?
Sim, ajudou porque temos equipamentos que facilitam o plantio e a colheita de matérias-primas e equipamentos que economizam energia, além daqueles voltados à reciclagem de produtos. As atividades em centros de pesquisa foram fundamentais. A maior interação dos designers e indústrias com os Centros de Pesquisa e Desenvolvimento também é responsável pelas mudanças.

Você acredita que inovações são feitas baseadas em antever necessidades? Se sim, acha que é por isso que cada vez mais estão surgindo inovações com design que preservam o meio ambiente?
Há vários fatores. Um deles é que com a maior divulgação e utilização do conceito design, os profissionais têm mais espaço para pensar em inovações, procurando criar necessidades. Outro fator é a interação maior nas indústrias do setor de produção e design com as áreas comercial e de marketing. Hoje é politicamente correto pensar em produtos sustentáveis, o que também está ligado ao trabalho das áreas de marketing e comercial.

Como os lojistas e os consumidores finais veem os produtos de ecodesign? É um fator que lhes interessa ou ainda muito distante?
Os lojistas valorizam o ecodesign porque há uma demanda por ele e uma consciência maior a respeito do assunto.

Confira as fotos dos vencedores do IDEA Brasil 2010 na categoria de Ecodesign – ouro, prata e dois bronzes respectivamente.
natura1
e-board
bicicleta
reciclador

“Sustentabilidade é uma condição”

Idealizadora e curadora da feira de design contemporâneo Paralela Gift, Marisa Ota falou sobre design, sustentabilidade e mercado consumidor. Confira a entrevista abaixo feita para a matéria publicada hoje sobre Ecodesign no caderno Planeta do jornal O Estado de S. Paulo.

Como você vê o mercado de design em relação à preocupação com a sustentabilidade?
A preocupação é grande, mas ainda não é a ideal.  Ainda é difícil encontrar no Brasil produtos ecológicos de qualidade.

Os designers vêm se preocupando mais com esta questão?
Sim, esta já não é uma preocupação e sim uma condição, um item essencial no projeto.

Qual o papel do design na determinação do impacto ambiental de um produto?
O designer, ao adotar uma postura favorável ao meio ambiente e ao consumo consciente, se torna um agente transformador de novos padrões de consumo, sejam eles duráveis ou efêmeros.

Como surgiu a ideia da parceria da Paralela com a Lyptus? Como foi este projeto?
Ao propor o projeto Lyptus+ Paralela, nossa idéia foi promover o design como ferramenta para negócios sustentáveis com foco em processos industriais. Tivemos uma receptividade enorme por parte deles: a Lyptus já exerce este importante papel ao se encaixar nas normas de manejo florestal internacionais. Só não tinha esta visibilidade no mercado de design. Para isso, convidamos designers brasileiros reconhecidos em suas áreas por suas competências em contemplar os mais diversos olhares na produção de objetos para criar com Lyptus.  Ao utilizar a menor quantidade possível de recursos materiais e energéticos, satisfazendo as necessidades de consumo de forma amigável e respeitosa ao meio ambiente, a Paralela criou um importante exercício em que é possível de se fazer design/negócios com respeito ao meio ambiente. E o resultado é bacana. Foi muito interessante e rico o processo de aprendizado, sobre todas as técnicas empreendidas do plantio ao corte, o manejo …tudo foi trazido pela Lyptus de uma forma surpreendentemente profissional. Eles têm técnicas internacionais inéditas, que ninguém no Brasil tem. Foram investidos U$ 50 milhões neste know-how.

mesa-lyptus

Qual o seu papel no projeto Lyptus + Paralela?
Nosso papel foi o de curadoria, enobrecendo ainda mais a madeira Lyptus, convidando os melhores designers para criarem com a Lyptus. Havia uma resistência do trabalho com madeira ecológica que, à medida em que o trabalho foi sendo desenvolvido, desapareceu. A Lyptus é bonita, tem uma cor roseada e é de fácil manuseio.

A Paralela busca trazer sempre expositores com um trabalho eco-friendly e preocupação social. Existe algum projeto para fortalecer ainda mais? Ou o mercado não está pronto para isso?
Já se caminhou muito e esta visão já se fortaleceu, mas aqui no Brasil ainda existem dificuldades, pois falta conhecimento e informação. O designer brasileiro ainda não tem o hábito deste trabalho, falta o exercício do fazer. É só fazendo que vamos descobrir as dificuldades e facilidades. A parceria com a Lyptus foi um sucesso, tivemos muitos designers interessados, e a divulgação dos trabalhos se estendeu a lojistas  e produtores, que ficaram encantados.

Como os lojistas veem os produtos de ecodesign? É um fator que lhes interessa ou ainda muito distante?
Ainda é difícil encontrar no Brasil produtos ecológicos de qualidade. As lojas de design mais conceituais que têm uma proposta ficaram muito interessadas. Isto quer dizer que o mercado aprovou e que é possível fazer design sustentável bonito.

Related Posts with Thumbnails