Luxo é eco. Fast-fashion, não

Por princípio o luxo é eco-friendly. Ele aposta no tradicional (que não está preso a rápidos modismos) com boa qualidade (dura uma vida inteira) que custa caro (não dá para comprar a rodo) e feito por artesãos que ganham bem pelo seu trabalho.

Já o conceito fast-fashion é por definição o vilão da sustentabilidade. É a moda descartável, que muda a cada estação, feita com material barato e de baixa qualidade, e por isso facilmente vira lixo. Sem contar que a mão-de-obra usada muitas vezes é de países em desenvolvimento e que acaba sendo explorada.

É claro que em ambos os casos existem as exceções, ou seja, as marcas de luxo que usam mão-de-obra barata e não qualificada de indústrias asiáticas e as redes de fast-fashion que dão boas condições de trabalho e remuneração aos seus funcionários, mesmo que em países mais pobres para ajudar o desenvolvimento local.

Mas em geral quem está em vantagem na era da sustentabilidade é, com certeza, o mercado de luxo. Consumir consciente é comprar menos, sem desperdício, produtos que duram mais, que tenham sido produzido de maneira ética, respeitando o meio ambiente e o trabalhador. Mesmo para as empresas deste mercado que estão fazendo algo errado é mais fácil entrar no eixo eco-correto. Já que um produto de luxo custa caro mesmo, dá para fazer tudo certinho, diminuindo o impacto ambiental e gerando benefícios sociais.

bolsa-hermes

Agora como vender camisetas a R$ 10 ou R$ 15 fazendo tudo certo? Este valor não paga nem uma mão-de-obra descente, fora transporte, alimentação, luz e água da empresa, além, claro, do tecido. Não é mais fácil fazer peças boas que duram mais tempo? Elas vão custar mais caro, mas terão um custo benefício maior. Pense nisso como consumidor.

Diversas peças e acessórios são curinga no guarda-roupa feminino e masculino. Por que não ousar somente em algumas criações contemporâneas e comprar o básico e o atemporal de boa duração? Optar por produtos baratos e vagabundos ou mais caros e com qualidade é também uma questão de cultura (e de bolso, claro).

Vamos comparar as francesas e as inglesas. As primeiras têm um guarda-roupa enxuto, com poucas e boas peças. Já as inglesas adoram tudo que é novidade, avant garde. Não é à toa que marcas de fast fashion se proliferam cada vez mais pelas ruas de Londres – muitas delas tenho que admitir que têm boas iniciativas a favor da sustentabilidade, com preocupações social e ambiental.

Mas aqui a questão é mercadológica. Em um mundo onde a sustentabilidade veio para ficar, as empresas têm de saber que amanhã, quando esta consciência se transformar em atitude do consumidor (e isso vai acontecer), os produtos de fast-fashion terão um impacto negativo de vendas. E o mercado de luxo, se souber aproveitar, vai ter um outro boom e ganhar novos consumidores.

É claro que estamos falando por enquanto de consciência para os consumidores das Classes A e B. Até porque as Classes C e D só agora estão tendo o prazer de conseguir consumir e vai ser difícil eles abrirem mão deste luxo conquistado a curto prazo. Mas isto já é um tema para um próximo post, que será publicado amanhã aqui no Verdinho Básico.

Veja abaixo vídeo com trecho do debate sobre comportamento verde promovido pelo Estadão e pela Livraria Cultura que fala sobre a tendência do consumo mundial.

Em tempo, leia matéria da jornalista Andrea Vialli publicada hoje na seção Planeta do jornal O Estado de S. Paulo. É sobre compra de roupas de segunda mão ser tendência do consumo consciente. Clique aqui para ler.

É pique, é pique: 1 ano do VB

O Verdinho Básico faz hoje seu primeiro aniversário. Nossa, um ano. Como passa rápido, mas ao mesmo tempo já parece existir há uma eternidade. Foram 537 posts neste período e muitas conquistas.

Primeiro veio a cobertura “verde” da SPFW para o site da revista Claudia. Em seguida, veio convite da Marie Claire, onde faço a coluna Ecochique na revista impressa e o blog Estilo Ecochique no site.

Neste último ano emplaquei matérias com temas eco-friendly nas revistas Elle e Claudia com as matérias Green is Cool e Ecomães, ecofilhos, respectivamente.

Uma entrevista que fiz com a mergulhadora Céline Cousteau para o Estadão rendeu frutos: uma parceria com este jornal que está presente na minha vida em várias fases – desde quando ainda era foca no Jornal da Tarde, passando pela coluna social do querido Cesar Giobbi até o caderno Planeta, onde escrevo mensalmente.

Para a minha felicidade, o grupo do jornal então chamado Vale Paraibano (hoje, OVale) também acreditou no meu trabalho. Estava lançando sua revista valeparaibano e me convidou para ter uma coluna lá. Mensalmente escrevo um artigo sobre temas ligados ao universo green. Como moro há 2 anos em São José dos Campos, fiquei muito feliz com o convite e com a possibilidade de divulgar ideias sustentáveis para a região.

Mas não acabou aí. O Verdinho Básico foi procurado para ter seu conteúdo no portal da MTV e no site Chic por Glória Kalil. Mas foi aí que entrou o blog Green_Carpet que criei em agosto de 2009 com mais duas amigas, a Giselle Rongetti e a Luana Abdulklech. A ideia é mostrar iniciativas “eco” de estrelas, sejam elas celebridades, produtos ou projetos.

Até modelo eu virei este ano pela causaverde“. A Iódice Denim fez sua campanha de Inverno 2010 com o tema “Atitude é cuidar do mundo” e me convidou para ser uma das caras da campanha. Confesso que minha performance como modelo foi fraca, mas o resultado final ficou muito legal!

Iódice Denim

Como já estava escrevendo para internet, revista e jornal, resolvi expandir mais um pouco e ir atrás de uma mídia que acredito: a camiseta. Por que não passar ideias e conceitos eco-friendly com um visual bacana? Foi aí que eu e minha amiga e designer Titi Franco decidimos fundar a verdinha & básica.

Resolvemos fazer um teste no fim do ano passado, um preview. E deu certo. Em menos de 20 dias as mais de cem camisetas que havíamos produzido acabaram. Foi aí que resolvemos investir nessa, o que significa abrir empresa, comprar tecidos, fazer planejamentos, desenvolver coleção, entre muitas outras coisas. O resultado poderá ser visto no próximo dia 7 de junho, quando chega a primeira coleção completa.

Para comemorar este um ano, o Verdinho Básico lança um concurso cultural amanhã. Os três vencedores vão ganhar uma camiseta verdinha & básica. Aguarde mais informações e fique ligado. Só uma dica para irem pensando: qual a importância da moda na sustentabilidade? O que as liga?

Meus agradecimentos

Enfim, muitas coisas aconteceram e ainda estão rolando. Mas não fiz isso sozinha e devo um “muito obrigada” a várias pessoas que acreditaram neste trabalho. Em primeiro lugar e com certeza o mais importante foi o meu marido, o Setti. Para começar, sem ele o blog nem teria entrado no ar. Obrigada, meu amor, pelo seu trabalho, seja programando ou escrevendo posts, pela sua compreensão aos meus loucos horários de trabalho e por ajudar tanto em casa, o que me dá mais tempo para o Verdinho.

Obrigado a Marina J. Ferreira e a Ana Balbachevsky, minhas estagiárias, assistentes e “verdetes” neste primeiro ano, que me ajudam sempre e principalmente quando estou mais enlouquecida com matérias para entregar.

Em segundo, tenho uma lista enorme. Lucia Barros, obrigada por dar espaço ao Verdinho na revista Claudia. Eliana Sanches, obrigada pela pauta da Elle e apoio de sempre. Camila Lima, obrigada pela oportunidade de trabalhar com você na Marie Claire (onde também devo o meu obrigado à Carla Gullo, Lu Borges e Letícia Massa). Ao amigo Andrew (Andre do Val), thanks por tudo desde o começo – seja na Marie Claire online ou no Chic.

Thanks Sergio Pompeu por acreditar que o meu trabalho pode contribuir para o caderno Planeta. Aqui tenho que agradecer também à Mari Della Barba, por fechar as minhas matérias tão bem. À Cris Bedendo e ao Hélcio Costa, agradeço a confiança e “abertura de porta” em São José dos Campos. Glória Kalil, super thanks pelo apoio ao me tornar “green” e por dar espaço a este tipo de assunto no Chic. À Ana Lúcia Zambon e Carol Agmont, da Zambon,Inc., meu sincero obrigada pelos projetos e indicações. Claudia Alcantara, super obrigada e boa sorte para a gente! Obrigada Valdemar Iódice pelo convite e toda a equipe de marketing pela oportunidade de fazer parte da campanha da Iódice Denim.

Não podia também deixar de agradecer os amigos que de uma forma ou outra, ajudaram nas pautas, deram ideias, feedbacks e até apoio moral. Obrigada, Luana e Gi por acreditarem no Verdinho e fazerem o Green_Carpet. Titi Franco, uma amizade de 25 anos só poderia terminar em sociedade. Tenho certeza que vamos arrasar! Thaissa Lamha, Cris AssisKika (Maria Fernanda Franco), Fernanda CalfatFla Figueiredo, Bia Azevedo, Debora Carvalho, obrigada pelas sugestões de pautas e sempre lembrarem do Verdinho quando topam com algo “ecocool”. Eu devo agradecimentos também à Taís Aline Remunhão, minha amiga e professora da Santa Marcelina que me incentivou sempre com o mundo sustentável e que me conta todas as novidades que descobre referente à ele. Obrigada à

Ao meu sobrinho, afilhado e futuro jornalista Luis Armando, obrigada pelos posts que escreveu. Cami, Lu, Tho, Laumãe e pai, thanks pelas ideias e críticas quando necessárias. Cunha, obrigada por levar minhas matérias à sala de aula. Ao ramo inglês da família Beth Lobo Brennan, thanks for the ideas, informations and hospitality. Nick, to you too. Ah, e pela estadia em Londres. Meus agradecimentos também ao meu sogro Márcio Setti, que hospeda meu Verdinho em seus servidores, e ao meu cunhado Felipe Setti, que fotografou o making of da verdinha & básica.

Agradeço também todos que acreditam que é possível salvar o mundo com estilo. Chiara Gadaleta, obrigada por falar do Verdinho, pelas entrevistas que me fez ou concedeu, pela atenção sempre presente. É um prazer te conhecer e saiba que apoio super o Ser Sustentável com Estilo e todos os seus projetos.

A todos os outros blogs que buscam alternativas sustentáveis, uma boa sorte. Vamos cada vez mais fazer uma corrente eco-friendly.

Enfim, desculpa se esqueci alguém, mas obrigada a todo mundo que me ajudou neste primeiro ano. E que venham muito outros!!!

iPhone vestido de bambu

Que tal um capa eco-friendly para o seu IPhone? Pois é, a americana Grove desenvolveu uma versão feita com bambu, planta altamente renovável. Se manejado de forma correta, o bambu é como a grama: quanto mais se corta, mais ele nasce.

imagem6-1

É possível ainda customizar a sua capa com texto, ilustração ou imagem que você quiser. Basta entrar no site, clicando aqui, escolher uma das três cores de bambu e a cor da borda (opções coloridas) e fazer o upload da sua arte. Ou ainda você pode escolher uma ilustração da série de artistas da Grove. A brincadeira sai por 99 dólares. Quem quiser a capa lisa, o preço cai para 89 dólares.

imagem7-11

imagem5-2

Ah, a capinha vem em uma embalagem (também feita com bambu) que pode ser reutilizada como porta-retrato. É o upcycle mais uma vez marcando presença.

Stella McCartney abre loja verde

A estilista super eco-friendly Stella McCartney acaba de abrir uma loja “verde“. Clique aqui para ver a matéria completa no Green Carpet!

Stella McCartney

NYC comemora Dia da Terra com eventos e a nova campanha E

Na próxima quinta-feira, a instituição Earth Day New York promete fazer a maior comemoração ao 40º Dia da Terra com apoio da prefeitura da Big Apple ao lançar a Campanha E com uma flash mob de manhã na Times Square e promover diversos eventos na cidade durante toda a semana. A ideia é dar uma nova cara ao movimento “verde“.

A campanha cria oportunidade para cada um mostrar o que está fazendo pelo planeta e com isso “contaminar” a comunidade. Ser um E é um desafio ao que Mahatma Gandhi dizia: “seja a mudança que você quer ver no mundo“. O símbolo criado para os adeptos à ideia é o E feito com a mão (três dedos na horizontal), assim como há 40 anos os ativistas anti-guerra criaram o V de vitória como símbolo da paz.

Quem tiver em Nova York no dia 22 pode comparecer na Times Square (Broadway entre as ruas 45 e 46) das 8h às 16h, onde acontecem performances e shows. A cerimônia oficial com a presença de líderes empresariais, governamentais e ambientais será das 11h às 14h.

Parte desta comemoração é a loja da semana de moda verde The Green Shows, a EcoLux Pop Up que está aberta durante esta semana até sábado, dia 24 de abril, na Grand Central Station’s Vanderbilt Hall (Rua 42 e Park Avenue). Lá, marcas eco-friendly de roupas, joias, produtos de beleza e guloseimas estarão presentes, como a Reco Jeans, a House of Organics, a Bahar Shahpar, a DEX New York Cosmetics, entre outros (veja flyer abaixo para saber está quem participando).

ecolux_evite

Related Posts with Thumbnails