O consumo te consome?

Consumo consciente é um tema cada vez mais presente no dia a dia das pessoas. Mesmo para aqueles que não se importam com o destino do lixo ou com tópicos mais abrangentes como sustentabilidade, o acúmulo de tranqueiras em casa é algo que incomoda as pessoas. E isso só existe pois o mundo compra muito mais do que precisa e do que usa.

Para estimular a reflexão antes, durante e depois do consumo, a empresa de cosméticos Natura criou o movimento “Sou para Todos Nós”. A ideia é levar para o maior número de pessoas esta questão, sem apontar o que é certo ou errado. Mas mostrando experiências e opiniões de pessoas que estão engajadas no assunto.

Para isso foi escolhido um lugar bem democrático: a internet. Através de Hangouts – bate papos virtuais -, grupos de convidados discutiram diversos temas do universo do consumo. Cada encontro durou cerca de uma hora, e um minidocumentário nasceu de cada uma dessas conversas.

Fui convidada para participar do pontapé do projeto, cujo tema foi “O consumo te consome?”. Confesso que gosto de consumir, mas felizmente o consumo não me consome! Veja abaixo o minidocumentário ou, se tiver tempo, o bate-papo na íntegra. E aí, o consumo te consome?

Começa hoje a Colheita Especial

Começa hoje (17 de agosto) a quarta edição da Colheita Especial, um bazar de peças garimpadas de antigas coleções de marcas renomadas e do guarda-roupa de algumas personalidades. Quem escolhe o que entra nesta colheita são as sócias Marina SanvicenteRenata Castro, as idealizadoras deste mercado que apoia o consumo consciente a preços acessíveis. Quer saber o que você vai encontrar lá e ver fotos?

Clique aqui e leia no blog Ecochique, no site da revista Marie Claire.

Mas corre lá, porque a Colheita Especial vai até sábado, dia 21 de agosto.

colheita-especial


Colheita Especial

Data: de 17 a 21 de agosto
Local: Rua Desembargador Vicente Penteado, 264 – Jardim Paulistano
Horário: das 12h às 20h.
Formas de pagamento: cheque ou dinheiro
Manobristas no Local

Consumidor chega em encruzilhada

O que é melhor: usar guardanapo de papel ou de pano? Um gera lixo e o outro gasta água. E o lixo para reciclagem, será que ele realmente é reciclado? E o plástico biodegradável, é verdade que muitos deles liberam metais pesados no solo durante a sua decomposição?

Estas são apenas algumas das milhares de dúvidas e questionamentos que os consumidores estão começando a ter/fazer. E ainda bem! É sinal de que estão adquirindo consciência e querem transformá-la em atitude.

Veja abaixo vídeo com a antropóloga Lígia Krás falando sobre pesquisa da Mindset que detectou que o consumidor está chegando em uma encruzilhada e a arquiteta e ambientalista Marussia Wathely comentando este assunto. Gravado no debate sobre comportamento verde organizado pelo Estadão e Livraria Cultura no mês passado.

Let’s swap!

Meu cunhado e a namorada vieram aqui almoçar na sexta-feira e ela estava me contando uma coisa muito interessante, prática que inclusive li no livro Green is the New Black, do qual trago dicas abaixo.

Sabe aquelas roupas que a gente não aguenta mais e que ainda estão ok, em bom estado? Então, em vez de deixá-las fazendo aniversário durante anos no armário, a minha concunhada combina com as amigas alguns get together e cada uma leva o que não quer mais. Ela jura que sempre tem umas amigas que chegam com malas enormes!!! Ou elas combinam de trocar ou de vender por um preço simbólico.

E o que elas não querem e acaba sobrando pode ser doado ou para entidades que fazem bazar e vendem para arrecadar dinheiro ou ainda pode ser dado para pessoas necessitadas.

Achei a ideia ótima e já vou combinar com minhas amigas. Quem vai sair perdendo é a minha prima que todo final de ano ganha uma saco enorme com a “limpa” que fiz no meu armário. Se bem que com a história de consumir consciente, o saco anda meio vazio. rsrsrs. Aliás, este é um jeito de reciclar roupa e consumir sem culpa, né? Adorei. A dica é levar na brincadeira para você não acabar brigando com uma amiga por causa de uma bolsa ou calça

Em inglês existe até um termo usado para estas trocas de roupa: “swishing“. E existem lojas que são as “swap shops“.

Em Londres já fazem festas onde a “chapeleira” serve para troca de peças. Por exemplo, você leva um casaco que não quer mais e pega o de outra pessoa na hora de ir embora. Também da Inglaterra é o site “What’s mine is yours”. Lá é possível comprar e vender peças e ainda existe uma página para intercâmbio, uma swap shop. O club Favela Chic de Londres faz uma festa onde você vai vestido com uma roupa que você não quer mais e a cada “batida do gongo” você troca uma peça sua com alguém que está por perto. Num episódio do Lipstick Jungle, Nico e Kurby foram numa festa assim.

Nos Estados Unidos isto já virou até um mercado e existem empresas que organizam uma “swap party”. A Swap-O-Rama-Rama é uma delas. Depois da festa eles ainda dão um workshop para você customizar seus novos itens que saem de lá com a etiqueta “100% Reciclado”. Outra empresa americana que assina “swap parties” é a Clothing Swap e eles fazem noites temáticas. How cool is that?

Related Posts with Thumbnails