O grande lixo dos pequeninos. Até quando?

Sempre me incomodou o fato de um bebê usar oito fraldas por dia, 56 por semana, ou seja, 2.920 unidades por ano! Por isso, desde antes de engravidar comecei a pesquisar opções ecológicas, com menor impacto ambiental e que gerassem menos lixo. Ah, voltar para as versões antigas de pano não é uma solução, visto que não acho higiênica, além de gastar muita água. Ainda mais aqui nos Estados Unidos onde não existe empregada e temos que fazer tudo nós mesmos. Praticidade é, sim, um ponto a ser levado em conta.

Depois de correr atrás do que tem no mercado, pude dividir as fraldas em 4 grupos: as descartáveis convencionais, as descartáveis eco-friendly, as híbridas (calça de pano e enchimento descartável) e as 100% de pano. Há quem diz que sou louca de experimentar uma das versões menos práticas e mais ecologicamente correta. Outros vão criticar a minha escolha final (claro que ela pode mudar conforme novas opções forem aparecendo). Enfim, independente do julgamento de qualquer pessoa resolvi trazer aqui a minha experiência, por mais que ela não tenha tido um resultado ideal. Vamos lá.

As descartáveis convencionais e as de pano estão fora de cogitação, não só por questões ambientais mas também pela saúde do meu filho. A pele dele não precisa entrar em contato com químicos nocivos.

Dito isto, meu foco foram as duas outras opções. Juro que eu queria ter gostado e conseguido usar a fralda híbrida – para mim a mais eco-friendly de todas. Testei a marca gDiapers, uma das mais conhecidas por aqui. Ela tem uma calça de algodão bem bonitinha com velcro e dentro vem com um forro removível de plástico, onde é colocada a parte descartável. Ou seja, é necessário ter algumas calcinhas / cuequinhas e ir trocando somente o refil interno que parece um absorvente gigante. O legal desta fralda é que ela é feita com material renovável e é biodegradável. Isso mesmo, pode ser compostada, jogada na privada ou mesmo no lixo orgânico. Isso sem contar que não é usado nenhum químico nocivo para a saúde e meio ambiente na sua produção.

Parece um sonho, né? Mas na prática não é bem assim. O forro plástico esquenta a pele do bebê, o absorvente descartável não fica preso direito, xixi e coco vazam e ela é bem volumosa. É difícil admitir, mas apesar de ser a melhor na teoria, no dia a dia ela não me conquistou. Ainda tenho aqui em casa e uso de vez em quando. Com o calor de agora, ela faz as vezes de uma sunga e fica uma graça com uma camiseta.

Me restou então experimentar as marcas que fazem fralda descartável mas com apelo ecológico e hipoalergênica. Explico. Alguns grandes players fazem um modelo ou outro mais “verde”. Até onde é pura jogada de marketing, não sei mas sempre desconfio. Testei a Huggies Pure & Natural hipoalergênica feita com algodão orgânico e aloe vera. Mas sua performance foi a pior de todas, deixando vazar demais.

Já outras empresas focadas no mercado sustentável também contam com o item em questão na sua cartela de produtos. As marcas Seventh Generation e Earth’s Best fazem fraldas que não usam cloro como alvejante, é livre de fragrância e látex, e não usa loção com ingrediente derivado de petróleo. Ou seja, não agride a pele do bebê e o processo de fabricação é menos prejudicial ao meio ambiente. Além disso, a segunda contém material absorvente natural, como milho e trigo. Aliás, vale ressaltar que ambas absorvem muito bem e deixam vazar menos que todas as outras que experimentei (o que inclui as versões convencionais da Pampers e Huggies). O ponto negativo é que não são biodegradáveis e continuam gerando o lixo que eu tanto temia.

Resumindo: não encontrei fralda boa que minimize a geração de lixo e/ou seja biodegradável. Mas pelo menos estou optando por algumas com menor impacto e maior segurança para a pele do meu filho. Agora, por que algum grande player não se mexe e faz uma fralda biodegradável descartável? Garanto que ganharia muito dinheiro pois não sou a única que se preocupa com esta questão. #ficaadica

(texto escrito por mim e publicado na edição de junho de 2012 da revista valeparaibano)

Related Posts with Thumbnails

Comments

  1. Oi. ó pra não deixar passar.
    Todas nós mães acabamos descobrindo que não existe uma fórmula perfeita.
    Mas preferir descartáveis ‘verdes’ às de pano porque gastam muita água e prejudicam a pele do bebe não faz sentido (pra mim).
    1- questão da água:
    As descartáveis, por mais ‘verdes’ e ‘biodegradáveis’ que possam ser, sem dúvida, utilizaram muita água na sua fabricação, multiplique essa água por 2.920 fraldas por ano!
    As de pano também usam água na sua fabricação, mas são 10 capas e 40 fraldas (no meu caso, que já estão pra completar o segundo ano de uso). Pra lavar eu jogo todas num baldinho com água e no fim do dia jogo na máquina junto com as roupas. Cocô e xixi ficam no balde e vão pra privada. Um balde dágua é menos do que usam pra fabricar a embalagem de uma descartável.
    2- questão da pele:
    Com fraldas de pano você tem a certeza de que nenhum produto vai entrar em contato com o bumbum do bebê, e pra quem quer bumbum sempre seco é só usar um soft junto com a fralda, eu nem uso e não sei o que é assadura.
    Higiene e cuidados são essenciais seja qual for a fralda escolhida.

    E pra quem quer mesmo ser ‘verde’: procure saber sobre o Diaperfree ou Elimination Comunication. Formas de higiene natural (mesmo) do bebê, sem fraldas, de qualquer espécie!

    Digo ‘verde’ e ‘biodegradável’ porque não acredito na veracidade desses conceitos.

    Mas a gente vai tentando…

  2. Lorena Lacerda says:

    Já tentou usar a Wiona fraldas ecológicas? Uma amiga minha que tb se preocupa com meio ambiente me disse que usou e foi ótimo o resultado! O único porém é o preço aqui no Brasil, não sei no caso do EUA…
    Como ela não está trabalhando no momento está usando fraldas de pano da loja morada da floresta, que são bem absorventes e se ajustam ao tamanho do bebê. Só usa fralda descartável de vez em quando, para levar a bebê para passear ou quando vai demorar na rua mesmo. BJ

  3. Olá Alice
    Estou super antenada nessas questões por dois motivos: 1. eu estou grávida novamente e não consigo imaginar minha pequena Helena e sua primeira fralda levando 450 anos para se decompor; 2. tenho uma loja de produtos infantis mais ecológicos e sustentáveis
    Gostaria de sugerir para sua lista de teste a Fralda Wiona que é descartável e é biodegradável (se decompoem em até 5 anos). É uma fralda alemã que já está sendo comercializada no Brasil. Em Santa Catarina, minha loja está revendendo e está sendo um sucesso por muitos motivos que você pode conferir no post que tem lá no blog da ECO – http://www.ecomodaparacriancas.blogspot.com. A fralda já foi testada por meus dois sobrinhos, por crianças com assadura, por bebês grandes… e principalmente por mamães antenadas e modernas. O site da wiona – http://www.wiona.com.br. – beijinhos e depois me diga alguma coisa…até

Speak Your Mind

*