Luxo é eco. Fast-fashion, não

Por princípio o luxo é eco-friendly. Ele aposta no tradicional (que não está preso a rápidos modismos) com boa qualidade (dura uma vida inteira) que custa caro (não dá para comprar a rodo) e feito por artesãos que ganham bem pelo seu trabalho.

Já o conceito fast-fashion é por definição o vilão da sustentabilidade. É a moda descartável, que muda a cada estação, feita com material barato e de baixa qualidade, e por isso facilmente vira lixo. Sem contar que a mão-de-obra usada muitas vezes é de países em desenvolvimento e que acaba sendo explorada.

É claro que em ambos os casos existem as exceções, ou seja, as marcas de luxo que usam mão-de-obra barata e não qualificada de indústrias asiáticas e as redes de fast-fashion que dão boas condições de trabalho e remuneração aos seus funcionários, mesmo que em países mais pobres para ajudar o desenvolvimento local.

Mas em geral quem está em vantagem na era da sustentabilidade é, com certeza, o mercado de luxo. Consumir consciente é comprar menos, sem desperdício, produtos que duram mais, que tenham sido produzido de maneira ética, respeitando o meio ambiente e o trabalhador. Mesmo para as empresas deste mercado que estão fazendo algo errado é mais fácil entrar no eixo eco-correto. Já que um produto de luxo custa caro mesmo, dá para fazer tudo certinho, diminuindo o impacto ambiental e gerando benefícios sociais.

bolsa-hermes

Agora como vender camisetas a R$ 10 ou R$ 15 fazendo tudo certo? Este valor não paga nem uma mão-de-obra descente, fora transporte, alimentação, luz e água da empresa, além, claro, do tecido. Não é mais fácil fazer peças boas que duram mais tempo? Elas vão custar mais caro, mas terão um custo benefício maior. Pense nisso como consumidor.

Diversas peças e acessórios são curinga no guarda-roupa feminino e masculino. Por que não ousar somente em algumas criações contemporâneas e comprar o básico e o atemporal de boa duração? Optar por produtos baratos e vagabundos ou mais caros e com qualidade é também uma questão de cultura (e de bolso, claro).

Vamos comparar as francesas e as inglesas. As primeiras têm um guarda-roupa enxuto, com poucas e boas peças. Já as inglesas adoram tudo que é novidade, avant garde. Não é à toa que marcas de fast fashion se proliferam cada vez mais pelas ruas de Londres – muitas delas tenho que admitir que têm boas iniciativas a favor da sustentabilidade, com preocupações social e ambiental.

Mas aqui a questão é mercadológica. Em um mundo onde a sustentabilidade veio para ficar, as empresas têm de saber que amanhã, quando esta consciência se transformar em atitude do consumidor (e isso vai acontecer), os produtos de fast-fashion terão um impacto negativo de vendas. E o mercado de luxo, se souber aproveitar, vai ter um outro boom e ganhar novos consumidores.

É claro que estamos falando por enquanto de consciência para os consumidores das Classes A e B. Até porque as Classes C e D só agora estão tendo o prazer de conseguir consumir e vai ser difícil eles abrirem mão deste luxo conquistado a curto prazo. Mas isto já é um tema para um próximo post, que será publicado amanhã aqui no Verdinho Básico.

Veja abaixo vídeo com trecho do debate sobre comportamento verde promovido pelo Estadão e pela Livraria Cultura que fala sobre a tendência do consumo mundial.

Em tempo, leia matéria da jornalista Andrea Vialli publicada hoje na seção Planeta do jornal O Estado de S. Paulo. É sobre compra de roupas de segunda mão ser tendência do consumo consciente. Clique aqui para ler.

Related Posts with Thumbnails

Comments

  1. Adorei! E concordo mil por cento com você. Comprar mil coisinhas da moda a cada estação (seja em fast fashion ou mesmo em lojas mais caras) gera um tremendo lixo em todo o planeta.

Speak Your Mind

*